impromissor
Sempre fui desses que esconde o choro, atrás de sorrisos, da mesma forma que sempre me senti sozinho, rodeado de pessoas. Solidão é meu tumulto. A bagunça é minha vida. O caos e a ruína: é a ida. A perda e a partida das pessoas… Já tô fardo de fingir que está tudo bem, olha pra mim e veja: eu tô um caco. A vida me transformou em pó, e agora sofro só.
Ofuscador e Impromissor.  
impromissor
Ao James,
Como vai a solidão por ai, J. ? Bom, aqui ela sempre fica, parece que gosta de ficar comigo, parece que ela sabe escutar alguns silêncios. E os dias ai, como vão ? aqui estão indo como sempre foram, devagar. Meu amigo, acho que estou me privando de alguns sentimentos, não sei bem como dizer, esses dias estou mais leve que o normal, quem dera o vento me arrastasse por ai, desfrutaríamos da solidão juntos já que somos tão bons nisso. E os problemas ainda continuam ? os meus parecem que nunca acabarão, é problema na mente, no coração, mas nunca nas mãos. Vejo que ainda escreve cartas como ninguém, que tal escrever uma pra felicidade e pedir para ela passar por aqui, e talvez na volta te trazer noticias minhas. Eu ando assim, caro James, ando com vontade de ser feliz. Mas parece que a felicidade esqueceu o caminho até mim, ou melhor, até nós. Parece que ela anda com preguiça de vim aqui. Escrevo assim que possível, querido J.

Ao James.

Fred.